sexta-feira, 5 de junho de 2015

RAZOR, A MOTOSERRA DO THRASH

Já faz algumas semanas que não paro de ouvir esse álbum. Estou falando do Decibels, do Razor.
Oriundos do Canadá, um país de onde saíram Annihilator, Anvil, Triumph, Rush entre outros, esses pioneiros do thrash metal gravaram 8 discos destilando o mais puro metal veloz com camadas e mais camadas de riffs, e acredito que seja justamente nos riffs o grande mérito do Razor, e que acompanhados de bases doentias de guitarra, é receita certa para sangrar os ouvidos.
                                          Decibels (vinil)                                 Decibels (CD)

A banda se dissolveu em 1992, mas voltou para gravar o Decibels em 1997, e ele é o motivo de escrever essas linhas. Talvez os mais ortodoxos não gostarão desse álbum por trazer elementos, digamos... "modernos", ou fora daquele padrão thrash. Bom, eu achei uma paulada sem descanso. Além de uma rifferama mortífera, você pode encontrar uma bateria insana, mas que para muitos vai parecer que é eletrônica, aliás a banda já utilizou desse expediente no álbum Open Hostility. O motivo foi que Rob Mills se envolveu em um acidente e ficou incapaz de tocar. Então, Dave Carlo programou uma bateria eletrônica para que o álbum fosse gravado.
Rider Jonhson (D), Dave Carlo (G), Bob Reid (V) e Mike Campagnolo (B)

São vários sons que podem fazer a vizinhança ir à loucura, mas destaco Life Sentence, Liar, The Game, Goof Soup e uma regravação sensacional de Instant Death do álbum Evil Invaders de 1985.
Em abril de 2012, o guitarrista Dave Carlo foi diagnosticado com câncer no segundo estágio, mas felizmente foi curado.
O Razor segue mais vivo do que nunca tocando em muitos festivais dividindo o palco com grandes nomes da cena. E que venha a motoserra do thrash!