segunda-feira, 18 de maio de 2015

CORONER na Clash Club

[Nota do Blogueiro: Esse texto era pra ter saído no dia posterior à apresentação do Coroner, mas como tinha o Monsters Of Rock priorizei esse mega evento e também as bandas nacionais que abriram o show do Coroner em SP.] 

Vai fazer 1 mês que eles vieram pra cá, mas a memória continua viva.
Uma banda que juntou bangers das antigas, de outras nacionalidades e muitos músicos pra verem esse momento histórico, e mesmo sem a presença do monstro Marquis Marky nas baquetas, a emoção permanece forte nas mentes de quem foi assistir aos suíços do Coroner no Clash Club.
Vitor Rodrigues e Ron Royce

Uma das pouquíssimas bandas que tem a façanha de não ter nenhuma música ruim. Tudo bem que alguns fãs mais ortodoxos não gostam do Grin, mas eu simplesmente o adoro justamente pelo clima que esse disco possui, e mostra o quanto esses suíços branquelas tem um talento incrível em unir groove com um thrash técnico, complexo e ao mesmo tempo apaixonante.
Considerados o RUSH do thrash, o Coroner me conquistou desde o momento que vi pela primeira vez o clipe da música Masked Jackal em uma fita VHS de uma coletânea de bandas alemãs.
Vitor Rodrigues e Diego Rapacchietti

Após o show, fiquei com a sensação de que passou muito rápido e que deixaram de fora várias músicas maravilhosas - Sirens é um grande exemplo https://www.youtube.com/watch?v=EMS_nVOCBeI - mas passada a emoção da apresentação do Coroner, a conclusão que chego é de que foi tudo perfeito. Souberam compensar com outros sons maravilhosos que me fizeram agitar o show inteiro. 
Tommy T. Baron e Vitor Rodrigues

Assistir o Coroner foi como reencontrar seus velhos professores. 

[Agradecimentos mais do especiais à Miky Ruta e FAME Enterprises]