sábado, 21 de fevereiro de 2015

BROTHER FOZZY

Vou contar uma história pra vocês.
Certa vez, quando estava excursionando com o Exodus e o Overkill pela Europa, na época com o TS, me deparei com situações e, obviamente, com pessoas que ao longo do convívio entre as bandas faziam a turnê valer realmente à pena.
Lembro-me de um cara chamado Fozzy. Um sujeito bonachão e sempre com uma piada pronta pra sacar daquela cabeça doida e que vivia com um lenço azul amarrado nela. Parecia que tinha saído da crew do Sucidal Tendencies.
Como o headliner daquela tour era o Overkill, sempre usava da diplomacia para colocar o backdrop do TS, que era gigantesco em relação às outras bandas, e tínhamos que colocar rapidamente antes das portas do local do evento se abrissem. O que aconteceu na maioria dos shows.

Diplomacia porque quem cuidava do palco do Overkil era uma pessoa que deveria pesar mais ou menos... 1 tonelada! Mas isso não é nada quando o mau humor do cidadão falava mais alto, e era nessas horas que meu amigo Fozzy surgia e resolvia a parada, e quase sempre com muito bom humor. 


Mesmo com alguns percalços, a turnê Killfest Tour 2009 transcorreu muito bem com enorme sucesso, e a amizade entre ele e a gente crescia a cada dia. No último show, em Zlin na Rep. Checa, eu e Fozzy estávamos assistindo o massacre do Exodus no palco, atrás da bateria do Nicholas Barker - ele era o baterista do Exodus naquela turnê - e de repente eles começam a tocar a música Toxic Waltz. Me viro e falo para o Fozzy que essa era minha música favorita do Exodus, e que foi a primeira que escutei deles. Escuto apenas um: "Oh, really?!" e de repente Fozzy me empurra para dentro do palco, e eu, sem entender nada, olho para ele e com um gesto parecia me dizer "Fica aí e se divirta!!!"
Eu, rindo muito daquela situação nem tive tempo de pensar porque Rob Dukakis já veio com o microfone na mão e me disse algo assim: "Agora você canta e eu filmo!"
E lá estavam todos os integrantes do TS e do Gama Bomb em cima do palco. Felizes que nem criança na areia. E eu, cantando a Toxic Waltz em outra língua (risos). Essa é uma recordação maravilhosa que não sairá de mim. Nunca.
Nessa semana, esse meu grande amigo Fozzy foi alegrar as pessoas em uma outra dimensão. Espero que lá tenham fãs que curtam KISS, a banda que ele mais adorava na Terra.

RIP brother Fozzy