segunda-feira, 15 de setembro de 2014

VOCAIS INFLUENTES: PARTE FINAL

Finalizada a série de vocalistas que me inspiraram mais diretamente, agora compartilho com vocês uma lista de todos eles e a contribuição que cada um, de certa forma deu para mim, vamos lá:

Ronnie James Dio: Carisma e melodia
Bruce Dickinson: Domínio do palco
Rob Halford: Agudos viscerais
Eric Adams: Dramaticidade
King Diamond: Versatilidade
Phil Anselmo: Melodia
Max Cavalera: Inspiração (Pai)
Marcello Pompeu: Inspiração (Mãe)
Chuck Billy: Graves cavernosos
Bobby Blitz: Agudos rasgados
Ron Royce: Timbre groovado
James Hetfield: Composição e domínio do instrumento
Chucky Schuldiner: Composição e timbres agudos
David Vincent: Graves
Brett Hoffman: Agudos e berros
Glenn Benton: Perfeita junção de graves com agudos
Chris Barnes: A coisa mais grave que já ouvi
George Corpsegrinder: Graves

Poderia muito bem citar mais exemplos, porém são muitos e isso prova que o mundo da música Metal é vasto com milhares de opções, uma mais criativa do que a outra, ou mais pesada, ou mais melodiosa. Não importa. O que realmente importa é o que ela faz em você, dentro de você.
Lembro-me até o hoje o sentimento que tive quando vi o clipe do Kiss na TV - I Love It Loud - e três anos mais tarde a estreia do Iron Maiden com o clipe da música Aces High. São coisas que realmente fica imensamente difícil descrever como o turbilhão de coisas que passavam pela minha cabeça nesses dois momentos, principalmente no caso do Iron Maiden. Era a descoberta de um mundo novo, ou a entrada em um universo especial onde poucas pessoas tinham acesso. O frio na barriga quando nomes das bandas eram citados - Judas Priest, AC/DC, Kiss, Iron Maiden, Whitesnake, Scorpions, entre outras - tudo tinha frescor, cheiro de novidade. Éramos donos de um segredo, e me sentia - e ainda sinto - especialmente escolhido para guardar esse segredo.
O tempo passou, mas ainda continuo com esse sentimento e sinto que precisamos mostrar para futuras gerações nossa cultura do Metal. Que não somos um monte de cabeludos vagabundos vestindo camisetas pretas ou adoradores de satanás querendo bagunçar o ambiente. Hoje, isso não passa de folclore. Me deparo quase sempre com pessoas proeminentes na sociedade que curtem e gostam do Metal. Tomamos como um dos exemplos o Henrique Fogaça, que além de chef gastronômico e apresentador do programa MasterChef, é vocalista da banda de metalcore Oitão.

Portanto, ao invés de tomar a camiseta do moleque, catequiza. É essa a geração que vai segurar o rojão lá na frente.