terça-feira, 19 de agosto de 2014

VOCAIS INFLUENTES: BOBBY "BLITZ" ELLSWORTH (OVERKILL)

Se Chuck Billy do Testament foi o responsável pelos meus graves, Bobby “Blitz” Ellsworth foi o responsável pelos agudos mais energéticos que já escutei, e aliados a uma performance avassaladora de palco, credencio Blitz a um dos maiores frontmen do planeta. Ele é um verdadeiro guerreiro. Quase não poderia cantar devido a uma má técnica que usava, mas felizmente foi apresentado a um especialista que o curou. Em 98 foi diagnosticado com uma forma agressiva de câncer, e ele teve um pedaço do nariz retirado para que a doença não se alastrasse. E em 2002, sofre um derrame no meio de um show na Alemanha, mas mesmo assim Blitz continua firme e forte mostrando todo o seu talento e nos brindando com seu poderoso vocal.
Reconhecido pelos agudos potentes e interpretações fantásticas, esse grande vocalista consegue aliar a agressividade com melodia encaixando as letras perfeitamente. Meu primeiro contato com o trabalho dele na banda Overkill foi o clipe da música Elimination. E a partir daí fui pesquisando mais e mais seu estilo. Desde a raivosa Rotten To The Core até a cadenciada In Union We Stand podemos perceber o quanto é versátil a voz de Blitz. Só pra dar um exemplo disso, o Overkill gravou um álbum só de covers – Coverkill – e lá vocês terão um grande exemplo dessa versatilidade e do timbre feroz de pato selvagem com vidro moído da voz de Blitz, um verdadeiro operário do metal.
Com o tempo me tornei fã incondicional desse cara, e para sacramentar esse sentimento mais ainda, tive a honra de dividir o palco com esses dois baluartes do thrash, Exodus e Overkill em uma turnê no ano de 2009.  Me recordo de uma apresentação de Blitz que foi no mínimo... memorável! Todas as bandas performaram muito bem, mas naquela noite o Overkill estava infernal destilando seus clássicos numa energia absurda. Talvez pelo fato de que até aquele momento, o Exodus estava comendo com farinha o Overkill todas as noites. Obviamente, as bandas não estavam competindo entre si, mas a quantidade de clássicos que o Exodus tirava da cartola era tanta, que fez o Overkill abrir mão de duas músicas novas para colocar mais alguns clássicos no setlist, e dessa forma as coisas começavam a virar pro lado deles. Mas nessa noite, a energia estava muito boa. Uma vibe maravilhosa, e quando entro no camarim me deparo com um Bobby Blitz, sentado em uma cadeira, cansado mas feliz em ter feito o melhor show do Overkill naquela noite. Então, não me contenho e digo em alto e bom som: “Tenho três influências de vocalistas de thrash metal na minha vida, Max Cavalera, Chuck Billy e um certo cara chamado Bobby “Blitz” Ellsworth!” Então, sozinho ali no canto do camarim, ouvimos a voz dele dizendo: “Yes man, it’s me!

Valeu Blitz!